PROJETO

Com o apoio do Rumos Itaú Cultural 2017-2018 foi realizado ao longo de 2019 até fevereiro de 2020. (A inauguração prevista para 19 de março, foi adiada por conta da pandemia, nova data será informada). O projeto apresenta uma proposta inédita que agrega os objetivos iniciais de um museu a céu aberto a outros que atendem às especificidades da Maré, um bairro com características históricas, demográficas e culturais únicas. O Maré a Céu Aberto é um convite ao conhecimento e ao reconhecimento da genealogia mareense. Foram definidos cinco locais emblemáticos do bairro para, instalações de arte permanentes e as Estações de Memória, com painéis de azulejos artísticos e depoimentos dos moradores.


 

 

 

O Maré a Céu Aberto apresenta um percurso que passa por cinco pontos considerados relevantes dentro das 16 favelas da Maré. Nesses locais foram instaladas obras de arte permanentes, além do que chamamos de estações de memória. Aqui temos um pouco da história do lugar e também depoimentos dos moradores. 

O projeto destaca as favelas da Maré a partir da força e da potência, que é a marca dessa população. Espaço urbano em constante renovação, a favela se mostra a partir da inventividade, da resiliência, da mobilização e da arte.
O Maré a Céu Aberto nasceu da vontade de contar a história das favelas a partir de seus 140.000 habitantes e reforçar suas formas de viver e construir suas  identidades.

 

Essa iniciativa vem sendo pensada faz muitos anos dentro da Redes da Maré, e aqui toma corpo através do trabalho da Azulejaria e do Núcleo de Memórias e Identidades da Maré – NUMIM.

A partir das memórias dos adultos, dos desejos das crianças, de diferentes pessoas e grupos, o projeto foi realizado através de um grande processo colaborativo, que combina história, memória e arte contemporânea instalando-se nas praças, ruas e fachadas do bairro.

Maré a Céu Aberto é demarcação, possibilidade de encontro, proteção, corpo e escultura.

Os cinco pontos são só o início... Como um museu de território, todo mundo faz o museu. O museu é todo mundo.

1. Praça do Parque União

Do Nordeste à Maré

Artista: Letícia Felix

A proposta do Maré a céu aberto é riquíssima, principalmente por respeitar o olhar do morador antes de qualquer intervenção. Eu, moradora, tomei como inspiração uma das características mais expressivas da praça, o nordestino. A praça é tomada pelo forró nos fins de semana. Há muitos nordestinos na Maré e vêm muitas pessoas de fora para prestigiar os shows, atrações e afins. Com isso pensei em fazer da fachada um painel com alguma referência do sertão nordestino - imagem que facilmente quem passar por lá vai entender. Escolhi cores fortes para chamar atenção, pois não é um ponto de parada e sim de passagem.

2. Casa das Mulheres da Maré

Enraizadas

Artista: Arcasi

Nossas raízes são múltiplas, profundas, antigas.
São elas que nos mantém fortes, entrelaçadas umas com as outras, envolvidas pela terra. O projeto enraizadas
foi o encontro com as mulheres em formação no curso de Alfabetização de Jovens e Adultos (EJA) ofertado na Casa das Mulheres, no Parque União, para a partilha de memórias de poder, cura e resistências a partir do conhecimento das plantas presentes no território e produção livre de desenhos e pinturas que compõem o mural na Rua da Paz.

3. Praça do Valão | Nova Holanda

Bichinhes 

Artista: Prili 

Convidamos as crianças que frequentam a biblioteca e as oficinas de azulejaria da Redes da Maré a desenhar bichinhes que já habitaram, habitam ou poderiam habitar a Maré. Surgiram as tartarugas da feira, dinossauros, o tejú da Teixeira, cachorro, tubarão, barata, polvo, aranha, girafa, joaninha, gato, os caranguejos na Avenida Brasil... A partir desses desenhos, quatro bichinhes viraram escultura escalável e outres oito subiram o mural. Carlos foi o responsável por fazer as delicadas formas de madeira preenchidas com concreto armado e pintamos com as crianças os azulejos para revestir es Bichinhes com olhos, patas, guelras e frases e desenhos do processo.  Dino, Tuba, Tejú Bochecha e Joaninha, cada bichinhe com sua cor, na sombra ou no sol, habitam agora a praça.

4. Praça do 18 + Lona da Maré 
[Lona Cultural Municipal Herbert Vianna]

Esse é o meu mundo

Artista: Gustavo Gustavo

A Lona Cultural da Maré foi o lugar de encontro. 
Ali cultivamos a base com conversas, brincadeiras, oficinas de desenho, lanches, trocas de afeto 
importantes para a caminhada até a Redes da Maré. Subimos as rampas correndo e no ateliê refletimos, compartilhamos dúvidas, desejos, aprendemos e 
pintamos azulejos. O forno queimou o azulejo 
à 800º e agora o desenho não sai mais. Vamos colar 
os azulejos nas nossas ruas,onde todos nós podemos ver. E no muro da lona, onde nos ligamos. E na praça do 18, onde todos voltam a se encontrar.

Parque Ecológico – Mata

O Mural na Mata

Artista: Prili, Márcia Queiroz, Laura Taves e as crianças

O Mural da Mata brota a partir das oficinas de azulejaria da Redes da Maré. Foram passeios pela favela observando as sombras das árvores, mudanças de temperatura e também a memória afetiva das plantas que temos em casa. “Quando a gente pensa em natureza a gente pensa na Mata Ecológica.“ Recentemente muita coisa linda aconteceu na Mata: o espetáculo da Cia Marginal - Hoje não saio daqui - com a participação das crianças da vizinhança e a oficina Travestir em Floresta com direito a desfile! Venha visitar se quiser um lindo pôr-do-sol na mata.

EQUIPE

 

Coordenadora geral do projeto

Laura Taves


Equipe de Memória e Identidade

Tereza Onã

Angélica Ferrarez

Karla Rodrigues

Davi Figueiredo

Ernani Alcides A. da Conceição

Thaís de Jesus

 

Parceiro apoiador

Rumos Itaú Cultural 2017-2018

 

Equipe de Artes

Laura Taves

Márcia Queiroz

Mariane Rodrigues

Camila Oliveira

Serge Makanzu Kiala

 

Curadoria

Keyna Eleison e Laura Taves

 

Design e Logomarca [a partir do alfabeto criado pelas crianças da Maré]

Paula Delecave

Gestor Administrativo

Carlos André Nascimento Silva

 

Equipe das Obras

Raphael Borsari

Carlos Miranda Chagas

Claudio Miranda Chagas

Sr Manoel Pereira

Lucas Silva de Araújo

 

Comunicação

Daniele Moura

Carolina Aleixo

Douglas Lopes

 

Agradecimentos

Às 16 Associações de Moradores da Maré, aos entrevistados, às griots, as crianças, jovens e moradores e moradoras da Maré, à Wallacy Coelho e à todos os tecedores e tecedoras da Redes da Maré, em especial as equipes da Biblioteca Lima Barreto, Lona da Maré e Espaço Normal.

PRINCIPAIS REALIZAÇÕES

2019
Ao longo de 2019 as ações deste projeto, que nasceu da união do trabalho das equipes do NUPEM e da Azulejaria, foram se concretizando em diferentes frentes: pontapé inicial com um aulão aberto com Aylton Krenak, Paulo Knaus, Ernesto Neto e Mãe Celina. Realização de pesquisa, entrevistas e aulas campo, além das oficinas de artes com o envolvimento de crianças, jovens e adultos. Aliados ao intenso trabalho de mobilização para montar os 5 pontos de memória!

Mais fotos de Maré A Céu Aberto

PROJETOS RELACIONADOS

Fique por dentro das ações da Redes da Maré! Assine nossa newsletter!