voltar
O Racismo e as regras do jogo

No Brasil, houve uma grupo que trabalhou arduamente para que a população negra pudesse ascender socialmente. Estes senhores e senhoras, lá no tempo de nossos bisavós, estavam preocupados com o que viria depois da Abolição. Como iríamos ingressar no mercado de trabalho e qual a melhor maneira de contribuirmos para o crescimento do país?

Fizeram escolas onde não havia, cursos profissionalizantes, organizavam documentos e abriram pequenos jornais para divulgar suas ideias. Até ensinavam como se comportar: falavam da importância de manter sempre os cabelos penteados, os sapatos engraxados. Fizeram a sua parte. Alguns mais confiantes chegaram a afirmar que se negros e negras estudassem, seriam respeitados, nunca mais seriam humilhados.

Estes valores foram repetidos por todos a nossa volta.  Seja na escola ou em casa, bastaria fazer nossa parte e o respeito, a cidadania plena, seriam alcançados. Afinal, são estes o prêmio do cidadão, assegurado pela justiça e pelas regras do jogo, numa sociedade regida pelo capital e trabalho.

O episódio ocorrido com Matheus Ribeiro, ou seja, a ideia de suspeição diante de um crime ocorrido nas redondezas é um dos tantos Racismos Cotidianos que atravessam os portais do tempo para nos lembrar das estruturas que precisam mudar.

Mas o que será mais simples:  ensinar àquelas pessoas que os negros e negras não podem ser revistados, ter seus bens inspecionados toda vez que eles se sentirem lesados/ameaçados ou lembrar ao Estado Brasileiro que fizemos a nossa parte e que ele tem que nos defender? Fazer valer as máximas que o legitimam?

As pessoas que escrevem sobre estes assuntos diriam que o acontecido com Matheus Ribeiro é Racismo Estrutural; que aquele casal fez valer os valores da Branquitude, que desde sempre age assim; que Matheus é um corpo marcado por uma política que o lê como ameaça, um alvo, como um suspeito.

A questão que a Redes da Maré, por meio da Casa Preta da Maré, traz se refere aos ensinamentos que serão transmitidos a nossos filhos: não vale trabalhar, não vale acordar cedo, matar um leão por dia, aceitar o jogo democrático?

Mais uma vez, as regras fundamentais estão sendo quebradas.

Estamos envergonhados diante dos senhores e senhoras que achavam que bastaria fazer nossa parte para que fôssemos respeitados!

Casa Preta da Maré

Rio de Janeiro, 17 de maio de 2021

Fique por dentro das ações da Redes da Maré! Assine nossa newsletter!